Ouça agora na Rádio

N Notícia

CC0 / Gellinger/Pixabay

FOTO: CC0 / Gellinger/Pixabay

Cientistas revelam culpado inesperado da catástrofe global

Os cientistas internacionais chegaram à conclusão de que os organismos multicelulares eram culpados pelas mudanças climáticas que ocorreram há cerca de 500 milhões de anos, causando a extinção de uma grande quantidade de animais da época.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

O estudo foi publicado na segunda-feira (2), pelo jornal Nature Communications.

A explosão Cambriana foi acompanhada por um drástico aumento na diversidade de organismos multicelulares e na aceleração da evolução. Deste modo, no nosso planeja surgiram antecessores de vermes, peixes e animais vertebrados. Cientistas acreditam que a explosão levou a extinção da biota ediacarana, conjunto de seres que viveram durante o período Ediacarano. Porém, essa teoria permanecia discutível na sociedade científica. 

Os pesquisadores elaboraram um modelo digital do leito marinho primordial da Terra a fim de determinar a razão exata da extinção da biota ediacarana. 

Ao analisar os resultados, os cientistas revelaram que as primeiras gerações de animais parecidos com minhocas, camarões e outros invertebrados "consumiram" os estoques orgânicos, acumulados no fundo do mar.

Como resultado, foi emitida uma grande quantidade de dióxido de carbono, metano e outros gases do efeito estufa na atmosfera da Terra. Ao longo de 100 milhões de anos, sua concentração permanecia muito alta, o que acabou por provocar aquecimento global, alterações em ecossistemas e a extinção maciça de animais. 

Outra drástica extinção ocorreu devido ao surgimento das plantas terrestres, o que, ao contrário, causou a diminuição da concentração do dióxido de carbono na atmosfera.

 

FONTE: SPUTNIK BRASIL
Link Notícia